Notícias

Veja no Programa Outras Palavras da edição deste sábado, dia 2 de março de 2019

  • 08/03/2019


Veja no Programa Outras Palavras da edição deste sábado, dia 2 de março de 2019

Na edição do Outras Palavras de sábado, 23/02/2019, ouvimos as vozes dos atingidos e atingidas pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão da Vale, em Brumadinho. O filme “O lucro não vale a vida”, produzido pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), denuncia que após um mês deste crime da Vale muitas famílias não tiverem, sequer, o direito de enterrar seus entes queridos.

****

A deputada estadual, Beatriz Cerqueira, denuncia os crimes da Vale na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, cobra justiça e reparação dos danos e lê uma carta/desabafo de uma mãe que perdeu o seu filho na lama tóxica da Vale, em Brumadinho, mas ainda não teve a dignidade de velar e enterrar o corpo de seu filho.

****

No último dia 25 de fevereiro de 2019 aconteceu no auditório José Alencar, na ALMG, o Seminário sobre a Reforma da Previdência, a renegociação da dívida e a Reforma Administrativa do governo Zema. Esse evento contou com a participação da coordenadora nacional da Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fattorelli, do economista Frederico Melo, da deputada estadual, Beatriz Cerqueira, do deputado federal, Rogério Correia, e diversas lideranças sindicais e sociais. Educadores e educadoras, sob coordenação do Sind-UTE/MG também marcaram presença.


É preciso resistir à Reforma da Previdência!

No último dia 25 de fevereiro de 2019, durante Seminário no auditório José Alencar, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o deputado Rogério Correia recomendou a todos e todas muita luta e resistência para barrar a Reforma da Previdência. Ele participou de um Seminário promovido conjuntamente pelo seu mandato e o da deputada estadual Beatriz Cerqueira. Na pauta, além da Reforma da Previdência, a renegociação da dívida do Estado e a Reforma Administrativa do governo Zema.

Para o deputado Rogério Correira é importante esclarecer sobre o que é de fato essa Reforma, a quem ela está a serviço e porque ela é ruim para o povo brasileiro. “Seminários como esse fazem parte deste convencimento; nós temos que ganhar o debate sobre as reformas na sociedade, porque ganhar o debate é ganhar a verdade”, alertou.


“Os servidores não podem pagar por uma conta que não lhes pertence!”, diz Beatriz Cerqueira

Durante o Seminário que aconteceu no último dia 25 de fevereiro de 2019, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, a deputada Beatriz Cerqueira afirmou que “corremos riscos de sermos sobretaxados em relação a alíquota de contribuição previdenciária.” Isso porque a PEC 06 autoriza entes federados, em caso de déficit previdenciário, a cobrar dos servidores e da classe trabalhadora por uma dívida que não lhes pertence.


Maria Lúcia Fattorelli diz que é falso o discurso do déficit da Previdência

No último dia 25 de fevereiro aconteceu, no auditório José Alencar na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, um seminário promovido pelos mandatos da deputada estadual, Beatriz Cerqueira, e do deputado federal Rogério Correia, sobre a Reforma da Previdência, a renegociação da dívida e a Reforma Administrativa do governo Zema. O seminário contou com a presença da coordenadora nacional da Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fattorelli, do economista Frederico Melo e de diversas lideranças sindicais e sociais. Trabalhadores e trabalhadoras em educação, sob coordenação do Sind-UTE/MG, também marcaram presença.

Maria Lúcia fattorelli afirmou que a crise é financiada pelo governo federal é fabricada pela política monetária do Banco Central. “No mundo inteiro, inclusive na Europa, os mestres ensinam o que provoca uma crise: quebra de Safra e então não há alimento para a população ou peste e, neste caso, o povo todo adoece e não tem gente para trabalhar ou para produzir e isso quebra o sistema financeiro porque desorganiza toda economia ou guerra. Nenhum desses quatro fatores aconteceram aqui no Brasil. Estão fabricando uma crise por interesses próprios”, afirmou.


Um mês após o crime da Vale em Brumadinho… muita tristeza e dor!

Foram várias as atividades para lembrar o drama e a luta dos atingidos e atingidas pelo crime da Vale em Brumadinho. Centenas de mortos, feridos e desaparecidos. O luto ainda permanece vivo no coração e na luta das famílias, cuja dor é muito grande, relata Joceli Andrioli, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB). Ele afirma que ainda há “centenas das pessoas não foram encontradas e que é fundamental a comunidade se manter unida para que esse crime não seja esquecido.”


Vítimas do crime da Vale em Brumadinho relatam seus dramas

Um mês após o crime da Vale, em Brumadinho, diversas famílias atingidas não puderam ainda velar seus mortos e a vida está muito longe de voltar ao normal, se é que isso será possível algum dia. Por meio de registros feitos pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e de um filme produzido retratamos: “O lucro não vale a vida”. Ouvimos as vozes de Tiago das Virgens, morador da comunidade Pires, Flor, moradora de Esmeraldas, Lucas de Freitas, morador de Mário Campos, Marlúcia Patrocínio, moradora de Pompeu, Heleno Rocha, membro da Comissão de Atingidos do Parque das Cachoeiras, entre muitas outras pessoas que sofrem com o avanço mineração irrestrita e irresponsável da Vale em suas comunidades.


Deputada lê carta de uma mãe que perdeu seu filho no crime da Vale em Brumadinho

A deputada Beatriz Cerqueira leu durante os trabalhos da Comissão de Administração Pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), no último dia 19 de fevereiro de 2019, a carta de uma professora de Mário Campos. Ela perdeu seu único filho, de apenas 26 anos, no crime da Vale, em Brumadinho, no último dia 25 de janeiro. A deputada emocionou a todos com a leitura da carta que denuncia os crimes da Vale e relata o drama de um coração de mãe que não teve ainda a dignidade de velar e enterrar seu filho.


O programa “Outras Palavras” é uma produção do Sind-UTE/MG e é veiculado aos sábados, das 10h às 10h:30, nas TV’s: Band Minas (em todo o Estado), Candidés (Divinópolis e Região) e na Band Triângulo. Você pode acompanhar também essa produção pelo Canal do Sind-UTE/MG no Youtube.