Notícias

Veja no Programa Outras Palavras que será veiculado no próximo dia 05 de janeiro de 2019

  • 04/01/2019


Veja no Programa Outras Palavras da edição do sábado dia 05 de janeiro de 2019

Na edição do Outras Palavras de sábado, 05/01/19, destacamos reportagens sobre a precarização do trabalho das mulheres com as reformas do governo federal, a luta dos educadores e educadoras por seus direitos, uma retrospectiva da luta que culminou com a PEC do Piso Salarial e a reconstrução da carreira e outros assuntos.


Compaixão e desprezo são faces de uma mesma moeda, diz Jessé de Souza

Professor titular da Universidade Federal do ABC, Jessé de Souza, durante Congresso Estadual do Sind-UTE/MG disse que somos filhos e filhas da escravidão! E o retrato que evidencia isso está em todos os cantos do país: intolerância, injustiça, atitudes de uma elite que subjuga as pessoas. Ele também afirmou que compaixão e desprezo são faces de uma mesma moeda, numa sociedade perversa e doente, que considera um grupo de pessoas como sub-gente. Disse ainda que a escravidão criou inclusive uma nova concepção de estado, como ele funciona. Ao abordar sobre a inteligência que financiou o golpe, disse que por trás de tudo isso fala mais alto o interesse do capital por nossos ativos reais: água, petróleo e terra.


A democracia passa pela educação

O sucesso individual não é o caminho, é preciso priorizar a solidariedade, diz o sociólogo, Rudá Ricci, ao falar de um projeto de democracia que passa pela educação. De acordo com ele, a luta da educação é coletiva e afirma ser preciso retomar as ruas e discutir com outras categorias o significado da educação, da família e do projeto de democracia no Brasil. Nenhum país do mundo tem tanta desconfiança uns nos outros como os da América Latina e se não sairmos disso não haverá crescimento, mudança que valorizem as pessoas como um todo.


O golpe ataca principalmente os direitos e o trabalho das mulheres

Bernadete Monteiro, da Marcha Mundial das Mulheres, afirmou durante o Congresso Estadual do Sind-UTE/MG que o golpe ataca principalmente os direitos sociais e as mais prejudicadas são as mulheres porque retira direitos conquistados. Na medida que o golpe permite o congelamento de investimentos em saúde e educação por 20 anos ele também precariza, com isso, o trabalho das mulheres.


O papel da mulher trabalhadora na luta por seus direitos

A secretária de Comunicação da CUT Minas, Rosângela Costa, afirma que diante de tantos retrocessos e de tantos desafios, a mulher não pode deixar de fazer a luta pelas liberdades de expressão e do próprio corpo e da vida, que são essenciais na busca de sua identidade e de suas escolhas. Diz ainda que a mulher trabalhadora perdeu muitos direitos com a Reforma Trabalhista. Portanto, a luta permanece!


Luto pela PEC do Piso – professora Mirtes de Paula

A diretora estadual do Sind-UTE/MG e coordenadora da Subsede Unaí, professora Maria Mirtes de Paula, disse que a PEC 49 é importante porque garante essa conquista para as oito carreiras da educação.


Luto pela PEC do Piso – Mônica de Souza

A diretora estadual, Mônica Maria de Souza, afirmou que a PEC do Piso vai trazer vantagens importantes para a categoria e ter essa conquista na Constituição do Estado é fundamental. Segundo esse é um ganho inestimável para todas as oito carreiras da educação.


Luto pela PEC do Piso – Jonas William Pereira da Costa

O diretor estadual, Jonas William da Costa, destaca a relevância da PEC do Piso para os Auxiliares de Serviços da Educação Básica (ASBs) e disse que ela vai trazer visibilidade para um segmento tão importante e às vezes desconhecido da sociedade.


Luto pelo Piso Salarial – Sandra Bittencourt

A diretora estadual do Sind-UTE/MG, Sandra Bittencourt, lembra que “Quem luta, educa e conquista!” e a conquista da PEC do Piso na Constituição é uma vitória da luta coletiva!


Luto Pelo Piso Salarial – professor Vinícius Alencar

Depois de muita pressão na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, a PEC 49/18 foi aprovada. Sob coordenação do Sind-UTE/MG, trabalhadores e trabalhadoras em educação marcaram presença para acompanhar de perto o trâmite da matéria. O professor Vinícius Alencar, da rede estadual de Belo Horizonte, ressalta a importância dessa conquista e diz que ela dá certa segurança jurídica à categoria.


Luto Pelo Piso Salarial – professor Ronaldo Ferreira

O professor Ronaldo Ferreira, de Uberlândia, diretor estadual do Sind-UTE/MG, também reforçou a importância da PEC do Piso para os profissionais da educação e diz que ela faz com que o Piso seja incluído na Constituição do Estado e passe a ser uma política de estado e não de governo.


Dia histórico – o Piso agora está na Constituição do Estado!

Os trabalhadores e trabalhadoras em educação de Minas Gerais, sob coordenação do Sind-UTE/MG, marcaram presença dia (2/8/18), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para um dia histórico: a promulgação da PEC 49/18 que insere o Piso Salarial na Constituição do Estado.

Promulgada pela Mesa da Assembleia, a Emenda Constitucional 97 é decorrente da PEC 49/18 e foi publicada no Diário do Legislativo, dia 2/8/17, sendo de autoria coletiva de 73 dos 77 deputados e deputadas. Pelo Sind-UTE/MG compôs a mesa, a diretora estadual Feliciana Saldanha, coordenadora do departamento de Formação Pedagógica e Sindical. A solenidade aconteceu no Salão Nobre da ALMG e contou com a presença de diversos parlamentares, lideranças sindicais e profissionais da educação vindos, em caravanas, de diversas regiões do Estado.


Dia histórico – o Piso agora está na Constituição do Estado!

Os trabalhadores e trabalhadoras em educação de Minas Gerais, sob coordenação do Sind-UTE/MG, marcaram presença dia (2/8/18), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para um dia histórico: a promulgação da PEC 49/18 que insere o Piso Salarial na Constituição do Estado.

Promulgada pela Mesa da Assembleia, a Emenda Constitucional 97 é decorrente da PEC 49/18 e foi publicada no Diário do Legislativo, dia 2/8/17, sendo de autoria coletiva de 73 dos 77 deputados e deputadas. Pelo Sind-UTE/MG compôs a mesa, a diretora estaduais Marilda de Abreu Araújo, que é coordenadora do departamento Administrativo/Financeiro. A solenidade aconteceu no Salão Nobre da ALMG e contou com a presença de diversos parlamentares, lideranças sindicais e profissionais da educação vindos, em caravanas, de diversas regiões do Estado.


Persistência na luta!

Para o secretário-geral da CUT/MG, Jairo Nogueira um momento histórico, que só foi garantido porque houve persistência da categoria. Um ganho da educação e de toda a classe trabalhadora, que tem filhos na escola pública. Portanto, o Piso na Constituição do Estado é um ganho para todos e todas.


Persistência na luta!

Denise Romano, da direção estadual do Sind-UTE/MG parabenizou a todos por essa luta pelo Piso, que remonta a 2008 e agora com o Piso na Constituição surgem novas garantias e renovam-se as esperanças dessa categoria tão sofrida.


Luto pelo Piso Salarial – Paulo Henrique Santos Fonseca

O Piso na Constituição Estadual, segundo o diretor estadual, Paulo Henrique Santos Fonseca, vem reafirmar uma conquista para as oito carreiras da educação e contempla uma jornada de 24 horas semanais. Acompanhe o que essa PEC garante aos profissionais da educação. “Essa foi uma luta de todo mundo que acreditou nessa luta”, disse o diretor estadual do Sind-UTE/MG


Conquista coletiva!

A união da categoria foi ressaltada pelo coordenador da Subsede do Sind-UTE/MG em Muriaé, Wesley de Souza, como um dos fatores que colaboraram para essa grande conquista: a Emenda Constitucional No 97. “Muito bom perceber a garra do pessoal da educação nessa batalha”.


Conquista para todos e todas!

A professora de Guanhães, Sévera de Miranda Pimenta, destaca que a PEC do Piso , agora Emenda Constitucional 97, é importante porque ela valoriza todas as carreiras da educação e garante ganhos para todos e todas.


Grande conquista!

O professor Danilo Melo, de Manhumirim, considerou a Emenda Constitucional 97 uma das maiores conquistas dos profissionais da educação dos últimos anos, porque vai trazer estabilidade e segurança aos profissionais da educação.


Valorização para os ASBs

A Auxiliar de Serviços da Educação Básica, Lúcia Souza, diz que a PEC do Piso, agora, na Constituição do Estado traz valorização para os ASBs, que são profissionais imprescindíveis nas escolas.


Negociação de longo prazo

A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, disse que o processo de negociação para se chegar ao Piso Salarial em Minas não foi nada intransigente e a categoria recuou em vários pontos fazendo uma luta pelo mínimo, numa busca incessante para reconstruir outras políticas como a da carreira. O Acordo assinado e não cumprido totalmente é, portanto, fundamental nesse processo de reconstrução de garantias perdidas em vários governos.


Quem luta, educa e conquista!



A Proposta de Emenda à Constituição – número 95, que assegurou o ADVEB – Adicional de Valorização da Educação Básica – promulgada pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa/MG foi uma luta do Sind-UTE/MG junto ao Legislativo, que garantiu aos servidores recompor perdas de 2013, da época do governo Aécio Neves, substituído por um adicional de desempenho imposto pelo governo Anastasia. A coordenadora-gera do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, ressaltou a importância desse ganho, que representa 5% retroativos a 2017 para quem alcançou 5 anos de efetivo exercício. A medida atingiu, num primeiro momento, cerca de 50 mil profissionais da educação e foi uma justa correção a um grande ataque feito a educação.


O programa “Outras Palavras” é uma produção do Sind-UTE/MG e é veiculado aos sábados, das 10h às 10h:30, nas TV’s: Band Minas (em todo o Estado), Candidés (Divinópolis e Região) e na Band Triângulo.

Você pode acompanhar também essa produção pelo Canal do Sind-UTE/MG no Youtube.