Notícias

Veja no Programa Outras Palavras que será veiculado no próximo dia 18 de maio de 2019

  • 17/05/2019


Veja no Programa Outras Palavras de 18 de maio de 2019

Os profissionais da educação estão na luta:

A deputada Beatriz Cerqueira, presidenta da Comissão de Educação Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), falou sobre a responsabilidade parlamentar na valorização da pesquisa. “Vamos elaborar um programa de pesquisa, ciência e tecnologia que o nosso estado ainda não tem, chamando a responsabilidade para a nossa comissão e a Frente Parlamentar, e acolhendo toda a comunidade acadêmica para que essa pauta seja do poder legislativo.”

Denise Romano, diretora estadual do Sind-UTE/MG, disse que o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) segue na luta em defesa das universidades, escolas públicas e dos Institutos Federais.

Não aceitamos imposições

Mais de 200 mil pessoas participaram da Greve Nacional da Educação, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), no último dia 15 de maio. Na pauta, a luta em defesa da educação pública e contra a Reforma da Previdência do governo Bolsonaro. ” Falam em privatizar tudo o que é público. Querem privatizar nossa energia, combustíveis e Saúde!”


15 de maio: dia histórico de luta em defesa da educação e contra a Reforma da Previdência

Mais de 200 mil pessoas participaram da Greve Nacional da Educação, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), no último dia 15 de maio. A luta em defesa da educação pública e contra a Reforma da Previdência do governo Bolsonaro foram as principais pautas dos manifestantes.

Trabalhadores e trabalhadoras em educação, sob a coordenação do Sind-UTE/MG, marcaram presença nesse dia de atividades, que também aconteceram em todas as regiões do estado.
Além da mobilização de rua, aconteceu um debate no auditório da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) sobre a Reforma da Previdência e seus impactos, tanto para as universidades quanto para os institutos federais e para a educação como um todo.

A Greve Nacional da Educação foi convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação e teve a adesão de diversas centrais sindicais, entre elas, a CUT.


Sind-UTE/MG apoia lançamento da Frente Parlamentar em defesa da Ciência, Pesquisa e Tecnologia

O Sind-UTE/MG apoiou e participou da criação da Frente Parlamentar em Defesa da Ciência, Pesquisa e Tecnologia na ALMG, no último dia 7 de maio. A deputada estadual e coordenadora-geral do SInd-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, ressaltou que essa data foi histórica. O dia da educação no parlamento.

Ela celebrou a criação da Frente, que teve a assinatura de 75 deputados e deputadas. “Como parlamento, nossa tarefa é pressionar o governo do estado para retomarmos os repasses de recursos à Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas gerais (Fapemig), servindo de exemplo para que, nacionalmente, isso possa ser discutido. A Frente irá acolher toda a comunidade acadêmica e quem trabalha com ciência e tecnologia, de forma que essa seja uma pauta do Legislativo.”


Em defesa da Educação

Na ALMG, educadores e educadoras, dirigentes do Sind-UTE/MG marcaram presença em audiência pública que debateu a situação da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) e da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), no último dia 6/5/2019.

Denise Romano, diretora estadual do Sind-UTE/MG, falou sobre a necessidade de seguir em disputa com o governo estadual. “Nossa luta é importante, porque eles não se importam. Estão cortando alimentação de crianças menos de 11 anos de idade, quando cancelam a parte do programa Escola de Tempo integral!”

Ao longo da audiência, outros pontos dos cortes na educação foram levantados, como assistência estudantil, que garante a permanência dos estudantes nas universidades, e o resgate do sentido de desenvolvimento que as instituições de ensino oferecem à sociedade.


Em defesa da Unimontes, UEMG e das universidades públicas

Durante debate em defesa da Unimontes, UEMG e das universidades públicas, várias pessoas se manifestaram e ressaltaram a importância de todos estarem juntos em defesa da educação.

Renato Barros, da direção do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG), falou da importância da relação entre a categoria e a Frente Parlamentar em defesa da Ciência, Pesquisa e Tecnologia, e ainda chamou atenção para outras disputas.“Quando discutimos saúde e educação, falamos sobre vidas. Estamos passando um momento delicado nesse país, em que a constituição precisa ser cumprida. A Emenda Constitucional 95 congelou os investimentos públicos na saúde e educação pelos próximos 20 anos. É necessário fazermos um movimento social para revogar isso e discutir a situação financeira do estado.”

Denise Romano, diretora estadual do Sind-UTE/MG, falou sobre a defesa da educação no campo institucional, mas ressaltou também a necessidade do povo se mobilizar nas ruas. “Precisamos construir uma unidade e, nesse sentido, o Sind-UTE/MG se apresenta na luta em defesa da educação pública e da classe trabalhadora. Porque a escola dos ricos não sofrerá cortes nem mudanças na grade disciplinar. Para nós, eles querem que reste aprender fazer conta de matemática e o bê-á-bá.”

A deputada Beatriz Cerqueira também falou da construção coletiva da Frente com os parlamentares e do compromisso na continuidade da luta.


Falam em privatizar tudo o que é público!

Roda de conversa sobre Privatização da Cemig, em 26/1/2019

Jairo Nogueira, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais(CUT-MG), falou sobre o valor da empresa na atuação social. “A Cemig, enquanto empresa pública, ainda possui atividades sociais como a tarifa social, e o destino do lucro é revertido para saúde e educação em nosso estado. Corremos um risco de ter um aumento significativo na conta de luz, já que onde foi privatizado, em média, o valor das tarifas de energia são até três vezes maior do que antes.”

Jefferson Leandro Silva, coordenador-geral do Sindicato dos Eletricitários de Minas Gerais (Sindieletro-MG), lembrou do processo de privatização que a Cemig já sofreu nos últimos anos. “A Cemig já foi uma empresa 100% estatal, mas hoje é de economia mista, fruto de várias tentativas de privatização. Em 2017, o governo Michel Temer vendeu quatro usinas da empresa, com importante capacidade de geração de energia.”

Roda de conversa sobre Privatização da Petrobras, em 26/5/2018

Anselmo Braga, diretor do Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG), usou da didática para explicar o processo de privatização da Petrobras. “Para pessoas entenderem o que está acontecendo, é como se um produtor de leite, que ganha vendendo leite e queijo. Quando o valor de um desses produtos sobe, ele vende mais um do que outro para fechar as contas no final do mês. Isso que o Estado fazia com a Petrobras. Mas o que o governo faz hoje, desde o golpe, é fazer uma gestão voltada apenas para o mercado, aumentando os preços para a população.”

Felipe Pinheiro, diretor do Sindipetro-MG, disse que uma empresa estatal pode fazer compensações para garantir os preços de combustíveis acessíveis à população, desde que trabalhe para o povo e não para acionistas.

Alexandre Finamori, diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), questionou a disputa pelos royalties na extração de petróleo. “Para quem vai ficar esse dinheiro? Para o Brasil, como população, no investimento social, ou para grandes conglomerados internacionais? Essa é a disputa que se coloca para fazermos.”

Roda de Conversa sobre privatização do Sistema Único de Saúde (SUS), em 19/5/2018

Bruno Pedralva, médico e presidente do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, ressaltou o baixo investimento em saúde no país. “Está cravado em nossa Constituição de 1988 o direito à saúde pública. Os países que oferecem o serviço estatal, como Cuba, Inglaterra e Canadá, investem, em média, de 8 a 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Sabe quanto é feito no Brasil? 4,1%. Falta destinar mais recursos para que o SUS possa oferecer um serviço integral, ainda que tenhamos avançado bastante.”

Carla Anunciatta, primeira secretária do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, chamou a atenção para a importância do conhecimento sobre o Sistema. “O SUS está em nossas vidas. É muito importante pensar que não se faz presente só em hospitais, mas também está na prevenção de doenças e promoção da saúde. Se quisermos defender nosso Sistema contra a proposta de privatização, precisamos conhecer e participar. Saúde não é mercadoria.”, afirmou.


O programa “Outras Palavras” é uma produção do Sind-UTE/MG e é veiculado aos sábados, das 10h às 10h:30, nas TV’s: Band Minas (em todo o Estado), Candidés (Divinópolis e Região) e na Band Triângulo. Você pode acompanhar também essa produção pelo Canal do Sind-UTE/MG no Youtube.