Sala de Imprensa



Danny Glover visita Mariana e conversa com moradores de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo

Nesta terça-feira (28/06), o ator Danny Glover cumpre agenda em Belo Horizonte, marcando presença em um ato de protesto contra práticas anti

Download do arquivo

Nesta terça-feira (28/06), o ator Danny Glover cumpre agenda em Belo Horizonte, marcando presença em um ato de protesto contra práticas antidemocráticas na política brasileira. A visita de Danny Glover no país começou há alguns dias e já envolveu uma visita a movimentos sociais baseados em Salvador (BA) e uma conversa com a presidente afastada, Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada, em Brasília (DF).

 

Ontem, dia 27/06 e hoje 28/06, ele esteve acompanhado da presidenta da CUT/MG, Beatriz Cerqueira, em Mariana e conversou com moradores das comunidades de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo. (Veja abaixo fotos/depoimentos)

 

Logo mais, às 19h, participa de um Ato pela Democracia, promovido pela Frente Brasil Popular, em frente à sede do CREA MG, à Av. Álvares Cabral, 1600 – Santo Agostinho, em Belo Horizonte.

 

Saiba mais no evento: http://goo.gl/80mDXO

 

Foto 01 - 28.06.16 - Bia e Danny Glover

Danny Glover visita Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana, em 27/06/16.

Na foto, Letícia do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) conversa com ele e com Beatriz Cerqueira, presidenta da CUT Minas.

 

Foto 02 - 28.06.16 - Bia e Danny Glover em Bento Rodrigues

Danny Glover visita Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana, em 27/06/16.

Na foto, está ouvindo Antônio, que morou toda a sua vida na comunidade. A presidenta da CUT Minas, Beatriz Cerqueira, o acompanha nessa visita.

 

Foto 03 - 28.06.16 - Bia e Danny Glover em Bento Rodrigues

Danny Glover visita Paracatu de Baixo, em 28/06/16.

Na foto, Danny e James escutam o relato do Sr. Antônio, morador de Paracatu de Baixo, que continua morando em sua casa, embora a família tenha ido para Mariana. Segundo Beatriz Cerqueira, presidenta da CUT Minas, que acompanha Danny Glover, “o relato que ouviram é de que até na separação das famílias a lama foi decisiva. Sr. Antônio não se acostumou com a cidade, não aceita largar uma vida inteira construída na região. Chegou a pedir para a Samarco para limpar sua máquina, para que ele pudesse voltar a mexer na sua terra. O pedido não foi acatado até hoje. Lembrou com saudade e tristeza como eram os fins de semana na comunidade que ficava cheia, lembrou até do pastel do bar que não existe mais. Ele nasceu, em 1952, em Paracatu de Baixo.

 

Fotos: cedidas por Beatriz Cerqueira

Divulgação: Vera Lima- Studium Eficaz (99680652)