Sala de Imprensa



Reunião entre Sind-UTE/MG e Governo do Estado para discutir sobre o pagamento do reajuste do Piso Salarial

Acontece hoje (19/02) uma reunião entre dirigentes do Sind-UTE/MG e o Governo do Estado

Download do arquivo

Acontece hoje (19/02) uma reunião entre dirigentes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) e  o Governo do Estado, para tratar sobre o pagamento do reajuste do Piso Salarial Profissional em Minas.

 

A reunião acontecerá, às 14h, no BDMG (Rua da Bahia, 1.600), em Belo Horizonte. O Sind-UTE/MG vai cobrar do governo o pagamento do reajuste do Piso Salarial Profissional Nacional de (11,36%), retroativo a janeiro de 2016.

 

O Sindicato leva para a discussão como um de seus argumentos a Lei Estadual 21.710/15 e também se ampara no que estabelece o Acordo assinado, no dia 15 de maio de 2015, pelo governador Fernando Pimentel, e amplamente divulgado.

 

O acordo assinado é claro ao dizer da “Garantia de atualização do Piso salarial estadual nos mesmos índices de correção do Piso Salarial Profissional Nacional do magistério, em janeiro de 2016, 2017 e 2018 aplicado na carreira e parcelas previstas no item 1.1 para professora da educação básica, especialista em educação básica e Analista Educacional na função de Inspeção Escolar, a serem concedidos na forma definida em lei.” O mesmo se aplica às demais carreiras da educação e aos aposentados. 

 

Dia 20 tem Conselho e em Março é greve nacional

 

Para avançar ainda mais naquilo que os/as trabalhadores/as reivindicam, o Sindicato reforça a importância da unidade e da mobilização. Dia 20 de fevereiro, acontecerá o primeiro Conselho Geral da Entidade, quando será definido um intenso calendário de atividades e de mobilizações.

 

O Sindicato também informa que, nos dias 15,16 e 17 de março, os educadores de Minas vão aderir à greve nacional chamada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que diz não à perda de direitos dos trabalhadores em educação. A greve também tem o propósito de reforçar a luta pelo cumprimento da Lei do Piso, pagamento do reajuste do Piso Salarial de acordo com a determinação do MEC, contra a terceirização e a entrega das escolas às Organizações Sociais, contra o parcelamento de salários e a reorganização do ensino.