Notícias

14/2 - Sind-UTE/MG realiza Conselho Geral e Assembleia Estadual no quarto dia de greve e a categoria aprova continuidade da greve por tempo indeterminado

  • 14/02/2020


Nesta sexta-feira (14/2/2020), quarto dia de greve por tempo indeterminado na rede estadual, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) realizou um Conselho Geral e Assembleia Estadual, pela manhã, para debater sobre a conjuntura enfrentada pela categoria no âmbito estadual e federal, bem como construir as lutas do próximo período.


FotoStudium – Sind-UTE/MG

A coordenação-geral iniciou o debate refirmando a greve por tempo indeterminado, pautando a luta pelo Piso Salarial Profissional Nacional, a defesa do emprego e do direito a uma educação pública de qualidade social para todos e todas.

Trabalhadores e trabalhadoras, representantes de várias partes do estado, reivindicaram respeito ao governador Romeu Zema, que encaminhou o Projeto de Lei 1.451/2020 à Assembleia Legislativa, com previsão de reajustar a remuneração apenas dos servidores da Segurança Pública.

Segundo o Sindicato , a postura de parcialidade política do governo do Estado foi responsável pela violência que profissionais da Educação sofreram, no último dia 13/2/2020, quando a categoria se organizava para acompanhar a votação do PL na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária na Casa Legislativa e foi hostilizada por alguns  servidores da segurança pública .

Na luta há mais de 12 anos pelo Piso Salarial, pelo cumprimento da Lei Estadual 21.710/2015 e a Lei Federal 11.738/2008, que estabelecem o Piso como um direito, o Sind-UTE/MG repudiou a votação contrária à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 01/2020, em 13/2/2020, que estendia o reajuste salarial a todo o funcionalismo público.

Pátio da ALMG

À tarde, a categoria se reuniu no Pátio da Assembleia Legislativa e lotou o local.  Os  profissionais em Educação receberam o apoio dos petroleiros e trabalhadores dos Correios, que também estão em greve, dos servidores da saúde, dos educadores da rede privada de ensino, de vários movimentos sociais e estudantis e do Levante Popular da Juventude.

O diretor estadual do Sind-UTE/MG, Fábio Garrido, que desmaiou diante da violência sofrida no dia 13/2/2020, fez um relato para toda categoria sobre a hostilidade contra educadores/as, professoras e professores.

Garrido ressaltou a urgência da luta contra a intolerância de agressores uniformizados que atacam professoras.

Confira a posição do Sindicato sobre o assunto aqui.

A deputada estadual, Beatriz Cerqueira (PT/MG) disse que “a melhor resposta à covardia contra as professoras é coragem e luta.” O deputado federal, Rogério Correia (PT/MG), também demonstrou seu apoio aos profissionais que foram violentados e reafirmou a luta na Câmara Federal em defesa da educação .

Durante a votação, foi aprovado o seguinte calendário de lutas:

– Continuidade da greve por tempo indeterminado na rede estadual de ensino.

– 17 a 21/2 – Vigília permanente na Assembleia Legislativa.

– 22 a 26 – Carnaval da Educação

– 20/2 – Realização da Assembleia Estadual do Sind-UTE/MG

Após o encerramento da atividade, a categoria seguiu em marcha pelas ruas de Belo Horizonte para demonstrar a capacidade de luta de todo funcionalismo público, quando está em unidade na defesa dos direitos trabalhistas, do emprego e de uma educação pública para todos e todas. Momento também de dialogar sobre os motivos da greve com a população.

 

 

Foto Studium/Sind-UTE/MG

 

Foto: Gil de Carvalho/ Sind-UTE/MG

 

CLIQUE ABAIXO E VEJA MAIS FOTOS:

14/02/2020 –  Conselho Geral Sind-UTE/MG

Fotos: Gil de Carvalho  –  Sind-UTE/MG

14/02/2020 –  Assembleia Estadual do Sind-UTE/MG e Passeata

Fotos: Gil de Carvalho  –  Sind-UTE/MG